sábado, 15 junho 2019, 19:21
Início Notícias Rondônia Vara da Fazenda Pública de Porto Velho condena Estado por tratamento constrangedor...

Vara da Fazenda Pública de Porto Velho condena Estado por tratamento constrangedor a uma policial durante formação de selva

A ação ordinária contra o Estado de Rondônia pedia a condenação por danos morais em razão da vítima, uma policial militar em formação, ter sido humilhada e constrangida durante o estágio de selva. O instrutor, segundo depoimentos colhidos durante o processo, a obrigou a comer carne, bolacha e chocolate mastigados pelo próprio soldado, tratamento que, segundo depoimentos de outros participantes, só teria ocorrido com a autora.

O episódio, segundo consta no processo, provocou sofrimento mental, conforme laudo da psicóloga da PM que a atendeu, além de causar comprometimento no rendimento da policial – suas notas teriam caído logo após o treinamento de selva.

Diante das provas, a juíza da 1ª Vara da Fazenda Pública, Inês Moreira, entendeu que o Estado tem responsabilidade civil pelo ato cometido pelo instrutor, por isso condenou o ente público a pagar indenização de 15 mil reais.

“Da leitura dos documentos, o que se depreende é que a autora sofreu assédio moral por instrutor durante seu curso de formação da PMRO, o que foi considerado muito grave, tanto por superiores quanto pelos outros alunos que presenciaram aos fatos, causando-lhe forte abalo psicológico (sofrimento mental), conforme relatado pela profissional responsável pelo seu atendimento. Não restou demonstrado que essa atitude do instrutor tenha se destinado a desenvolver alguma habilidade na formanda, ora autora”, concluiu a magistrada.

O curso de formação deve desenvolver competências técnicas e comportamentais, definidas por padrões curriculares, igualitários para todos os participantes. O comportamento do soldado, em razão de sua autoridade hierárquica, transgrediu os limites éticos e respeito pela pessoa, “em especial pela mulher militar, que desafia a si mesma e à sociedade que a tem como sexo frágil, ao se submeter a um treinamento rígido, a fim de obter uma profissão digna”, sentenciou.

A decisão também menciona que o instrutor, posteriormente, teria pedido desculpas a autora, atitude que não seria necessária caso o excesso não tivesse ocorrido.

Para finalizar, a magistrada destacou que “certamente há necessidade de uma quebra de paradigmas, a fim de mudar a imagem da PM perante a sociedade no que diz respeito à mulher militar, sobretudo colocando-se ao lado dela quando verificados tratamentos contrários à isonomia e à impessoalidade, como é o caso em questão”.

Da decisão, do dia 3 de junho de 2019, ainda cabe recurso. Assessoria de Comunicação Institucional

- Advertisement -

Deixe seu comentário

Últimas notícias

Bombeiros alertam para uso correto de fogos por crianças e adultos em festas juninas

Junho calmo, alegre e sem problemas. Esta é a expectativa de todos os porto-velhenses para festanças que tradicionalmente se estenderão aos meses...

Imagens de um jacaré gigantesco morto as margens do Rio Jaru polemiza, morte natural ou foi abatido?

Não se sabe ao certo quando foi feito o registro, mas a propagação das imagens ocorreu nesta quinta-feira (13), nelas aparece um...

Gosto de deixar a pele respirar. Por isso, durmo só de calcinha, ou nua: diz Suelen Corbulin

Todos os meses a Diamond Brazil tem revelado lindas mulheres para o público. A revista digital que se tornou a mais relevante...

Concessionárias de Rondônia promovem diversas ações na Semana do Meio Ambiente

Neste mês do Meio Ambiente, uma série de atividades educativas foram realizadas pelas concessionárias administradas pela Aegea Saneamento em Rondônia, Águas de...

TJRO aplica Lei Maria da Penha nos distritos distantes de Porto Velho

A Justiça de Rondônia realizou a segunda etapa do projeto “Maria nos Distritos” nos distritos de Extrema e Nova Califórnia, na primeira...